Home museus Museu Nacional recebe verba do MEC para manutenção

Museu Nacional recebe verba do MEC para manutenção

by Thaís Melo

Via Agência Brasil

O Museu Nacional (MN), vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), vai receber anualmente R$ 13,5 milhões do Ministério da Educação (MEC) para serviços de manutenção do equipamento. Compromisso nesse sentido foi dado pelo MEC ao diretor do MN, paleontólogo Alexander Kellner. Essa é a mais antiga instituição científica do Brasil , fundada em 6 de junho de 1818.

À Agência Brasil, Kellner esclareceu que não foi o ar-condicionado que provocou o incêndio no museu, no dia 2 de setembro de 2018. “As pessoas se equivocam que foi o ar-condicionado que fez essa tragédia. Não. Foi a constante falta de recursos para o funcionamento e manutenção do Museu Nacional”. Kellner demonstrou satisfação em ver o pleito de previsão orçamentária específica para funcionamento e manutenção do museu, “não para pagar contas”, ser atendido com a sinalização positiva por parte do MEC de que pretende fazer frente a essa despesa.

“Isso permitirá que eu possa contratar brigadista, segurança, manutenção predial e coisas desse tipo. Eu vou resolver de uma vez por todas a questão de manutenção do museu, deixando claro que ninguém aqui fala em expansão do museu. É manter aquilo que a gente tem”. Isso inclui tratamento contra pragas e roedores, poda de árvores, entre outros serviços.

De acordo com Alexander Kellner, o ponto importante é que os recursos não serão destinados somente para a manutenção do Palácio de São Cristóvão, sede do MN, localizado na Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro. Serão beneficiadas as três áreas do museu:: o Palácio, o novo campus de pesquisa e ensino, com 43,4 mil metros quadrados, e o horto botânico, que o diretor espera abrir para o público “algum dia”.

O compromisso do MEC com a manutenção do Museu Nacional demonstra, segundo Kellner, que o Brasil aprendeu. “O MEC vai cuidar do Museu Nacional e isso nos dá forças e nos deixa em uma posição diferenciada quando a gente pede ajuda. Porque isso demonstra às pessoas que querem investir tanto em doar acervo como em questões financeiras para o término das obras, importantes para a sociedade brasileira, que elas não vão simplesmente investir em um lugar que vai ser construído e, depois, quando virarem as costas, tudo acaba se degradando por falta de manutenção. Esse é o ponto”.

O diretor do MN destacou que durante sua primeira agenda no Rio de Janeiro, o ministro da Educação, Camilo Santana, fez questão de visitar o museu. “Isso foi muito bom. O ministro se encantou com o projeto (de restauração), viu a maneira profissional como esse projeto estava sendo tratado, a maneira correta como está se trabalhando, e solicitou que a gente preparasse uma reprogramação das obras para entregar a maior parte possível do Museu Nacional ao público em 2026”.

Essa parte possível abrange quatro blocos do equipamento: o bloco histórico e os blocos dois e três, que serão abertos para visitação em abril de 2026, somando 2,9 mil metros quadrados, fora os jardins externos. O bloco quatro ficará para depois.

Kellner informou que após visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao equipamento, a reorganização do projeto foi apresentada ao ministro, visando a reabertura em abril de 2026. Comentou, entretanto, que para reabrir em 2026, ele precisará de recursos, conforme colocado ao ministro. “Falta que o MEC atue politicamente para que a gente consiga essa verba. Uma coisa é manutenção e outra é a reabertura do museu em 2026. Para a manutenção, contamos com essa promessa de R$ 13,5 milhões/ano mas, para a reabertura, são necessários recursos da ordem de R$ 180 milhões”.

Também são aguardados recursos prometidos pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) no montante de R$ 20 milhões, oriundos do Fundo Especial do Parlamento Fluminense, de acordo com a Lei 8.971/20, sancionada pelo então governador Wilson Witzel e publicada em edição extra do Diário Oficial do Estado no dia 10 de agosto de 2020. “Estamos ansiosos para que esses R$ 20 milhões da Alerj venham para o museu”. Alexander Kellner disse, entretanto, que está tentando há vários meses contato com a Alerj, mas ainda não obteve sucesso.

Related Posts

Leave a Comment